Sulcom Megaútil | Ajuda | Sulcom Ltda
  A B C D E F G H I J K L M N
    O P Q R S T U V W X Y Z
E Ou  
Glossário de telecomunicações e informática - Megaútil - Sulcom Ltda

   Glossário de telecomunicações e informática

 

100BaseT

É conhecido também como Fast Ethernet. As redes baseadas nesse padrão atingem 100 Megabits por segundo. Ao contrário da 10BaseT, admitem três tipos diferentes de cabeamento: dois pares de cabos de par trançado de alta qualidade; quatro pares de cabos de par trançado convencionais; ou cabos de fibras ópticas.

10BaseT

Padrão de rede Ethernet, baseada em cabos telefônicos de par trançado, no qual os dados trafegam a uma velocidade de até 10 Mbits por segundo.

3G

Terceira geração de telefonia sem fio, designa a nova linhagem de telefones móveis capaz de oferecer uma infinidade de recursos não disponíveis na geração atual, como desempenho entre 144 Kbps e 2 Mbps. Pelos telefones 3G devem trafegar voz, dados e vídeo, incluindo vídeo sob demanda. Outra característica é o serviço de roaming global avançado. A geração 3G está sendo desenvolvida pela ITU (Internet Telecommunication Union). Simultaneamente, Europa (UMTS) - Universal Mobile Telecommunications System), América do Norte (cdma2000) e Japão (NTT DoCoMo) trabalham na sua implantação.

ABR

Available Bit Rate ou taxa de bit disponível. Modalidade de serviços de transmissão de dados ATM (asynchronous transfer mode) que ajusta a largura da banda ao nível de congestionamento na rede. Para garantir uma performance mínima, a operadora oferece controles de fluxo e de tráfego de daods com taxa predeterminada de perda de células. Normalmente, não é utilizada em aplicações que exigem altas taxas de transferência, como voz e vídeo em tempo real.

Acesso Múltiplo por Divisão de Código

Também conhecido pela sigla CDMA (Code Division Multiple Access), usa uma técnica de espalhamento espectral que consiste na utilização de toda a largura da banda do canal para a transmissão. Com essa tecnologia, um grande número de usuários acessa simultaneamente um único canal da estção radiobase sem que haja interferências entre as conversas.

Acesso múltiplo por divisão de tempo

Um dos padrões de comunicação de voz via ondas de rádio, usado por operadoras nos serviços de telefonia celular digital. Consiste na divisão de cada canal celular em três períodos de tempo para aumentar a quantidade de dados que pode ser transmitida.

ADPCM

Adaptive Differential Pulse Code Modulation, técnica de modulação de código de pulso para a conversão dos sinais sonoros analógicos em formato digital. Consiste na gravação apenas da diferença entre os exemplos, ajustando a escala de códigos automaticamente para acomodar pequenas e grandes variações. A velocidade de transmissão obtida (32 Kbps) é a metade da taxa padrão PCM (Pulse Code Modulation).

ADSL

Asymmetric Digital Subscriber Line, tecnologia de transmissão de dados de alta velocidade que usa como meio de comunicação os fios de cobre da linha telefônica comum. Outras características importantes da tecnologia ADSL são o compartilhamento da linha de telefone com o acesso à internet e a conexão sempre ativa. O adjetivo assimétrico deve-se ao fato de a tecnologia trabalhar com velocidades diferentes nas duas direções: o usuário envia dados numa faixa entre 16 Kbps e 640 Kbps e recebe dados a velocidades entre 1,5 Mbps e 9 Mbps. A variação é decorrência de uma série de fatores, entre eles a distância entre o cliente e a central de telecomunicações. Disponível em algumas regiões da Grande São Paulo, os serviços básicos de ADSL da Telefônica - Speedy e Speedy Business -, por exemplo, atingem 128 Kbps (upload) e 256 (download) Kbps. Mas o usuário pode assinar outros planos. O mais avançado atinge 300 Kbps (upload) e 2 Mbps (download). A conexão ADSL exige a instalação de modem compatível e a assinatura num provedor que oferece acesso por meio da tecnologia.

AMPS

Sigla de Advanced Mobile Phone System, padrão analógico de telefonia celular, que opera na freqüência de 800 MHz. É utilizado em várias partes do mundo. No Brasil, é adotado nos serviços de operadoras da banda A.

Analógico

Sinal elétrico ou forma de onda na qual a amplitude e/ou a freqüência variam continuamente. Opõe-se a digital, caracterizado por níveis descontínuos.

Anatel

Agência Nacional de Telecomunicações, órgão ligado ao Ministério das Telecomunicações, encarregado da regulamentação do mercado e dos serviços do setor no Brasil.

Antena

Estrutura fundamental para transmissão e recepção de sinais eletrônicos. Nos telefones celulares, a antena é uma pequena vareta metálica retrátil ou embutida no aparelho. As antenas parabólicas têm o formato arredondado para concentrar o feixe de sinais em um só ponto, com melhor sintonis. Isso inclui desde os pratos de 30 centímetros de diâmetro, usados na recepção de TV por assinatura, e as antenas de microondas, até as grandes amtenas para a transmissão via satélite. A telefonia celular está baseada em antenas montadas em estruturas metálicas que cobrem áreas chmadas células.

Área de cobertura

Área geográfica de abrangência de uma estação radiobase.

Área de concessão

Região em que uma operadora de telefonia celular está autorizada a operar.

ARQ

Abreviatura de Automatic Repeat reQuest, um método de correção de falhas que consiste na solicitação automática da retransmissão de um pacote de dados, caso o receptor detecte algum erro.

ASCII

Acrônimo de American Standard Code for Information Interchange, ou código padrão americano para o intercâmbio de informção, é usado entre sistemas de processamento e comunicação de dados. Em um arquivo ASCII, cada letra, número ou símbolo é representado por sete bits. O sistema totaliza 128 caracteres.

Assinatura

Modalidade de contratação na qual o cliente paga um valr fixo para ter a seu dispor um serviço de telecomunicações, como um telefone fixo ou celular. A concessionária cobra taxas adicionais pelas chamadfas efetuadas. Nos casos de provedores de acesso à internet e TV paga, a assinatura dá direito a um pacote de serviços, como navegação na internet e e-mail, ou a uma quantidade fixa de canais.

Atenuação

Perda de potência do sinal de comunicação, medida em decibéis, que ocorre por meio de equipamento, linhas ou outros dispositivos de transmissão.

ATM

Sigla de asynchoronous transfer mode, ou modo de transferência assíncrono, é uma tecnologia para a transmissão de dados, voz e vídeo em alta velocidade em meio digital como fibras ópticas ou satélites. A tecnologia ATM é baseada na comutação de pacotes de dados (células) com tamanho fixo de 53 bytes. Atualmente, as taxas de transferência atingem até 2,4 Gbps. Em setembro do ano passado, no entanto, o Fórum ATM anunciou uma nova especificação, denominada Utopia Nível 4, que eleva essa taxa a 10 Gbps. Segundo o organismo, diversos projetos que empregam a nova especificação já estão em andamento. O padrão foi definido pela ITU (Internet Telecommunication Union), e é objeto de desenvolvimento pelo Fórum ATM.

Backbone

Conexão de alta velocidade que funciona como a espinha dorsal de uma rede de comunicação, transportando os dados reunidos pelas redes menores que estão a ela conectados. Localmente, o backbone é uma linha - ou conjunto de linhas - à qual as redes locais se conectam para formar uma WAN (Wide Area Network). Na internet ou em outras WANs, o backbone é um conjunto de linhas com as quais as redes locais ou regionais se comunicam para interligações de longa distância.

Banco de canais

Equipamento que conecta múltiplos canais de voz a enlaces de alta velocidade, executando a digitalização de voz e a multiplexação por divisão do tempo. A voz é convertida em um sinal digital que trafega a 64 Kbps.

Banda

Nome que designa uma faixa de freqüência delimitada no espectro magnético. A autoridade que regulamenta as telecomunicações reserva uma banda para cada tipo de serviço, para evitar interferências entre os sinais.

Banda A

Primeira faixa de freqüência do espectro eletromagnético reservada pelas autoridades que regulam as telecomunicações para telefonia móvel. No Brasil, o início da telefonia celular ocorreu pela banda A, com serviços analógicos oferecidos pelas empresas do extinto sistema Telebrás. Hoje privatizada, a banda A oferece também serviço digital.

Banda B

Segunda faixa de freqüência reservada para a telefonia móvel. No Brasil, a banda B começou a operar em 1998, oferecendo serviços digitais.

Banda base

Área de freqüência original de um sinal antes de sua conversão em outra mais alta e eficiente.

Banda C

Em telefonia móvel, é a terceira faixa de freqüência reservada para o celular, cujas concessõesserão leiloadas pelo governo brasileiro neste início de 2001. Essa faixa varia de país para país, sendo as mais usadas comercialmente as de 1,8 GHz. A banda C trará novidades em relação às bandas A e B, principalmente em aplicações multimídia, com recepção de dados e vídeo no aparelho telefônico. Nas transmissões via satélite, a banda C é composta por duas faixas: a que vai de 3,7 GHz a 4,2 GHz é usada para recepção (downlink) e a que vai de 5,925 GHz a 6,425 GHz é usada na transmissão (uplink).

Banda D e banda E

Juntamente com a banda C, são as novas faixas de freqüência que o governo brasileiro vai conceder por meio de leilão para novas operadoras de telefonia móvel pessoal, ou SMP. A faixa de operação das estações radiobase da banda D é de 1805 MHz e 1820 MHz, enquanto a banda E opera entre 1835 MHz e 1850 MHz. A banda C, por sua vez, fica entre 1820 MHz e 1835 Mhz.

Banda Ka

Faixa de freqüência entre 18 GHz e 31 GHz, usada em comunicações por satélites móveis ou fixos.

Banda Ku

Faixa de freqüência entre 10,7 GHz e 14,8 GHz, usada principalmente na transmissão via satélites fixos.

Banda larga

Comunicação de dados em alta velocidade. Há diversas tecnologias de comunicação em banda larga. ISDN, ADSL e cable modem são três exemplos. As duas primeiras usam linhas telefônicas para a transmisão, enquanto a tecnologia de cable modem faz uso dos cabos de TV por assinatura.

Baud

Unidade de medida de velocidade de transmissão de dados na qual 1 baud equivale a uma mudança de estado eletrônico por segundo. Como uma única mudança de estado pode envolver mais de um bit de dado, acabou sendo substituído, na prática, pelo uso da unidade de medida bps (bits por segundo).

BER

Bit Error Ratio, ou taxa de erro de bits, é a relação entre o número de bits com erro e o total de bits enviados numa transmissão. Geralmente, é representado por potência de 10.

Bit

Abreviação de Binary digit, é a menor unidade de informação digital. Um bit tem um único valor binário (1 ou 0).

Bit de paridade

Bit adicional anexado a um grupo de bits com o único propósito de detectar erros na transmissão.

Blindagem

Camada de proteção que envolve um cabo de transmissão de voz ou dados para minimizar a interferência eletromagnética.

Bluetooth

Especificação aberta para conexão sem fio em curtas distâncias, via freqüência de rádio, entre computadores, celulares, micros de mão e outros dispositivos para transmissão de voz e dados. A taxa média de transmissão entre os aparelhos baseados na tecnologia é de 1 Mbps, e a distância máxima entre eles é de 10 metros. As conexões podem ser ponto-a-ponto ou multiponto. A freqüência utilizada é de 2,4 GHz. O nome vem do rei Harald Blatan, que comandou a Dinamarca no século X, apelidadoBluetooth (dente azul).

Bps (bits por segundo)

Unidade de medida da velocidade de transmissão de dados em sistemas de comunicação.

Bridge

Dispositivo que conecta um segmento de rede local (LAN) a outro, transferindo dados entre eles de forma seletiva.

Broadband

Veja Banda larga.

Broadcast

Sistema de difusão de sinais em que é transmitido o mesmo conteúdo para todos os receptores. Numa transmissão de TV, por exemplo, todas as pessoas sintonizadas no mesmo canal assistem ao mesmo programa. Em internet, o termo é usado muitas vezes para designar o envio de uma mensagem para todos os membros de um grupo, em vez da remessa para membros específicos.

Buffer

Rotina ou meio de armazenamento temporário de dados. Em comunicação de dados, é usado para compensar as diferenças de taxas do fluxo dos dados ou de sincronia de eventos na transmissão de um dispositivo a outro.

Bus

Um ou mais condutores ou fibras ópticas que funcionam como uma conexão comum para vários dispositivos.

Byte

Grupo de oito bits.

Cable modem

Tipo de modem que permite a um computador conectar-se aos cabos de TV por assinatura para acesso rápido à internet. Como na tecnologia ADSL, a velocidade de transmissão é variável. Normalmente, não excede 1,5 Mbps. No Brasil, é usado, por exemplo, com os serviços de acesso à internet da TVA (Ajato) e Globocato (Vírtua).

Caixa postal

Serviço que permite a uma pessoa gravar uma mensagem de voz quando o telefone ou ramal que está chamando não está disponível. Oferecido inicialmente pelas operadoras de telefonia celular, começa a integrar o leque de serviços das operadoras de telefonia fixa.

Call center

Centro de atendimento telefônico. Estrutura montada para centralizar o relacionamento com clientes que entram em contato com uma empresa pelo telefone. É realizado pelas próprias empresas ou, seguindo uma tendência crescente, por operadoras especializadas, que contam com grande número de linhas telefônicas, atendentes e computadores para acesso às informações contidas nos bancos de dados dos clientes.

Camada

Nome que designa um nível de conexão em sistema de comunicação de dados. É padronizado pela entidade internacional ISO, que criou em 1974 a arquitetura OSI. Há sete camadas com protocolos de comunicação diferentes: Camada 1 - Física: define como os dados serão colocados e depois retirados de um canal físico, convertidos em impulsos elétricos ou luz (fibras ópticas). É atribuída à fiação ou a aparelhos chamados de repetidores; Camada 2 - Enlace: é responsável pela transmissão dos pacotes de dados de um nó a outro, permitindo fazer o controle e a recuperação de erros. Por exemplo, as redes Ethernet e Token Ring usam protocolos SLIP, CSLIP, MTU e o PPP; Camada 3 - Rede: é responsável pelo roteamento dos dados por meio de um sistema complexo de nós, além de atribuir endereço às máquinas. O protocolo mais conhecido é o IP (Internet Protocol); Camada 4 - Transporte: é a camada em que se verifica a integridade da mensagem transmitida, ou seja, se viaja sem erros, na mesma ordem de pacotes e no tempo necessário. Seu principal protocolo é o TCP; Camada 5 - Sessão: estabelece e finaliza as conexões entre duas estações ou redes. Usa protocolos TCP e RPC; Camada 6 - Apresentação: realiza a conversão de dados quando a transmissão é feita com criptografia e a tradução de arquivos com formatos diferentes (protocolo XDR); Camada 7 - Aplicação: camada que determina onde estão as aplicações de rede propriamente ditas, como transferência de arquivos (FTP), correio eletrônico, gerenciamento SNMP, emulação de terminais e aplicações de rede.

Canal

Percurso definido para a transmissão entre dois ou mais pontos. Também denominado de enlace, linha, circuito ou instalação. Designa também o serviço oferecido pelas emissoras de televisão.

Cancelamento de eco

Técnica que suprime o fenômeno de sinal de eco durante a transmissão, usada em modems de alta velocidade e circuitos de voz. O eco é uma distorção que ocorre durante a transmissão de um sinal, quando o som é origem. A operação consiste em isolar e retirar a energia indesejável gerada pelo sinal de eco.

Caracteres de controle

Em sistemas de comunicações, são todos os caracteres extras transmitidos além do conteúdo das mensagens para controlar ou facilitar a transmissão de dados. Por exemplo, há caracteres para verificação de erros, sincronização ou delimitação de mensagens.

Carregamento

Aumento da indutância eletromagnética em uma linha de transmissão para minimizar a distorção em situações de amplitude do sinal. Utilizado, normalmente, em linhas telefônicas públicas para melhorar a qualidade de voz. O inconveniente, no caso, é que o recurso pode tornar as linhas impróprias para a passagem de dados em alta velocidade.

Carrier

Veja Operadora.

CBR

Constant Bit Rate ou taxa constante de bits. Nível de serviço de transmissão de dados ATM em que a operadora se compromete a transmitir uma quantidade constante de bits de informação. Adequada para a contratação de serviços de comunicação para uso em aplicações que exigem fluxo constante de dados, como voz e vídeo.

CDMA

Veja Acesso Múltiplo por Divisão de Código.

CDR

Call Detail Record, ou registro de detalhes de chamada, é um arquivo utilizado para a tarifação de uma chamada telefônica, registrando dados como número que fez a ligação, número de destino, tipo de chamada, duração e custo. A soma dos CDRs é contabilizada nas faturas telefônicas.

Célula

Área de cobertura de uma antena de telefonia móvel sem fio, razão pela qual o serviço é conhecido como telefonia celular. Sua extensão depende da topografia da região e da potência da antena, chamada estação radiobase (ERB). O usuário do telefone móvel que se desloca dentro de uma região delimitada por uma célula recebe o sinal de sua chamada telefônica de uma única ERB. No momento em que sai de uma célula para outra, outra ERB assume a chamada e responsabiliza-se pela continuação da conversa.

Churn

Termo usado para descrever a rotatividade da clientela de serviços de uma empresa. No caso dos provedores de acesso à internet e das operadoras de telecomunicações e de TV por assinatura, mede a quantidade de usuários que deixam de ser clientes de seus serviços e optam pelo concorrente.

Clonagem

Forma ilegal de copiar as características de uma linha telefônica celular para outro aparelho que não aquele pertencente ao assinante legítimo.

Codec

Abreviação de COder/DECoder ou codificador/decodificador. Equipamente ou programa que converte os sinais analógicos de som, voz e vídeo em sinais digitais e vice-versa.

Compressão

Técnica para reduzir o tamanho dos dados com o objetivo de economizar espaço ou tempo de transmissão. Um arquivo de texto comprimido pode ter até a metade do tamanho do arquivo original.

Comutação de pacotes

Técnica de transmissão de dados que divide a informação em envelopes de dados discretos, denominados pacotes. Desse modo, em caso de falha durante a transmissão, a informação perdida afeta uma fração do conteúdototal, em vez de afetar o todo. A estação receptora encarrega-se de montar os pacotes recebidos na seqüência correta para reconstruir o arquivo ou sinal enviado.

Concessão

Autorização dada pelo órgão competente que regulamenta as telecomunicações para que uma operadora possa usar uma faixa de freqüência ou instalar uma rede de cabos para oferecer seus serviços ao público. No Brasil, a concessão de serviços de telefonia é alvo de leilões. No caso dos canais de televisão, a concessão é cedida pelo governo.

Concorrência

Condição que ocorre quando duas ou mais estações de dados tentam usar, ao mesmo tempo, o mesmo enlace ou canal.

Congestionamento

Situação de colapso da rede devido à sobrecarga do buffer ou à insuficiência da largura de banda. Para minimizar seus efeitos, tecnologias de transmissão por pacotes como a ATM contêm dentro de cada célula de dados recursos em seus cabeçalhos para evitar ou prevenir o congestionamento.

Convergência

Palavra que sintetiza a tendência de união de várias tecnologias num único equipamento - por exemplo, palmtops e celulares, TVs e computadores etc. Também pode significar, no âmbito da prestação de serviços, a transmissão de voz, dados, áudio e vídeo - com e sem fio, por uma única operadora.

CRC

Sigla de Cyclic Redundancy Code, esquema de detcção de erros na transmissão de dados. Um algoritmo é executado sobre os dados e o relatório de verificação resultante é anexado no bloco de dados durante a transmissão. O equipamento de recepção executa um algoritmo similar e o compara com o resultado anexado pelo remetente.

Criptografia

Técnica que consise em cifrar o conteúdo de uma mensagem ou um sinal de voz digitalizado, por meio de algoritmos matemáticos complexos. Funciona com o uso de chaves ou senhas. A mensagem é codificada pelo remetente em sua origem e viaja pela internet em outro circuito de comunicação embaralhada para que pessoas não autorizadas não consigam ver seu conteúdo. O destinatário decodifica a mensagem com uma chave privada.

Crosstalk

Linha cruzada, em português, refere-se à condição que ocorre quando uma linha de comunicação interfere em outra. As causas mais comuns são o curto-circuito e a junção indutiva entre duas linhas independentes.

CSMA/CD

Abreviatura para Carrier Sense Multiple Access?Collision Detection, é um protocolo utilizado em redes Ethernet no qual as estações observam o bus de dados e somente realizam a transmissão da informação quando o bus está livre. Se ocorrer colisão, o pacote de dados é retransmitido após um intervalo aleatório.

CTS

Clear To Send, ou livre para envio. Sinal de controle da interface do modem que indica ao terminal de dados que a transmissão pode ser iniciada.

Dados

Em telecomunicações, significa informação convertida para o modo digital, em oposição a informação em modo amalógico, como as chamadas telefônicas de voz convencionais.

DB (Decibel)

Unidade de medida da intensidade relativa (relação) de dois sinais.

DBS

Acrônimo de Direct Broadcast Satellite, sistema de transmissão de sinais de TV por assinatura via satélite diretamente para a casa do cliente. É uma modalidade de serviço alternativa à recepção via cabo. No Brasil, é usado por operadoras como Directv e Sky.

DCE

Data Communication Equipment, ou equipamento de comunicação de dados. Aparelho com funções que estabelecem, mantêm e encerram uma conexão de transmissão de dados. Omodem é um DCE.

Decoder

Nome dado ao aparelho que recebe o sinal transmitido por uma operadora de TV por assinatura e o decodifica para que possa ser visto em um televisor.

Deslocamento

Valor adicional pago pelo assinante de um serviço de telefonia celular quando recebe chamadas fora da área de cobertura original. Varia de acordo com o tempo de duração de chamada.

Diafonia

Transferência indesejada de energia de um circuito de comunicação a outro. A diafonia normalmente ocorre entre circuitos adjacentes.

Diagnóstico

Procedimento que detecta e isola problemas de funcionamento ou incorreções num aparelho, rede ou sistema de comunicação.

Dial-up

Tipo de conexão de dados via internet, realizada por um modem conectado a uma linha telefônica comum.

Digital

Tecnologia eletrônica que gera, armazena e processa dados, representados numericamente pelos algarismos 1 ou 0 (bit).

Digitalização

Conversão de um sinal analógico para o código digital (1 ou 0).

Dispositivo de compartilhamento

Permite compartilhar um único recurso de comunicação (como modem, mux ou porta de computador) entre diversos aparelhos (terminais, controladores ou modems).

Distorção

Alteração indesejada na forma de onda de um sinal, que ocorre entre dois pontos de um sistema de transmissão.

Downlink

Nome dado ao sinal de comunicação que parte de um satélite em direção a uma estação terrestre.

DSL

Digital Subscriber Line, ou linha digital de assinante. Tecnologia que utiliza a linha telefônica comum para a transmissão de dados em alta velocidade. O serviço requer um modem especial e sua qualidade depende da distância entre o terminal do assinante e a central telefônica. Veja ADSL.

DSP

Digital Signal Processing, ou processamento digital de sinais, é a técnica usada para aumentar a acuidade e a confiabilidade das transmissões de dados em formato digital.

DTH

Direct to home, ou direto para casa. Veja DBS.

DTR

Data Terminl Ready, ou terminal de dados pronto. Sinal de controle da interface do modem enviado para outro terminal de comunicação, geralmente outro modem, para informar que está pronto para transmitir dados.

Dual mode

Característica dos telefones móveis que permite ao aparelho operar em duas bandas de freqüências diferentes. O usuário de uma operadora pode usar o mesmo telefone em uma região diferente da área de cobertura original. Os aparelhos GSM, por exemplo, operam nas freqüências de 900 MHz e 1800 MH.

DWDM

Dense Wavelength Division Multiplexing System, ou sistema de multiplexação por divisão de comprimento de onda densa. Tecnologia de transmissão de dados usada em anéis de redes metropolitanas (MANs) equipadas com cabos de fibras ópticas.

E1

Formato de transmissão de dados digital adotado na Europa com capacidade de trafegar 2,048 Mbps. Pode ser dividida em 32 canais de 64 Kbps cada, que são destinados para transmissão e recepção de dados ou voz.

E3

Padrão europeu para a transmissão digital de alta velocidade, com capacidade de transportar até 16 sinais E1 a 34,368 Mbps.

E-Commerce

Em português, comércio eletrônico. Forma de realizar ngócios entre empresa e consumidor (B2C) ou entre empresas (B2B), usando a internet como plataforma de troca de informações, encomenda e realização das transações financeiras.

Endereço IP

Número normalmente de 32 bits - embora já existam endereços de 128 bits - que identifica computadores (servidores e estações) ligados a uma rede TCP/IP.

Equalizador

Dispositivo que faz a compensação da distorção devido à atenuação do sinal ao tempo de programação com relação à freqüência. Reduz os efeitos da amplitude, freqüência e distorção de fase.

ERB

Estação Radiobase. Antena utilizada na telefonia celular, que cobre uma determinada área geográfica (célula), com capacidade para atender um determinado número de usuários simultaneamente.

Espaço

Em telecomunicações, representa a ausência de sinal. Equivalente ao 0 binário.

Ethernet

Veja 10BseT.

Fast Ethernet

Veja 100BaseT.

Fax

Aparelho que transmite documentos pela linha telefônica pela própria cópia em papel. O fax lê opticamente a página e a transforma em sinais que podem viajar por telefone e ser decodificados do outro lado da linha.

FCC

Federal Communications Commission, órgão americano que regulamenta todas as comunicações interestaduais de rádio e equipamentos eletrônicos.

FDDI

Fiber Distributed Data Interface, padrao para conexões por cabos de fibras ópticas que garante taxas de transmissão de dados, em número de canais e velocidade, supera a tecnologia de fios de cobre.

Firewall

Dispositivo para a proteção de contra-invasões de hackers ou transmissões não autorizadas de dados. Existe na forma de software e hardware, ou na combinação de ambos. O modelo a ser instalado depende do tamanho da rede, da complexidade das regras que autorizam o fluxo de entrada e saída de informções e do grau de segurança desejado.

Frame Relay

Protocolo de transmissão de dados em rede que trafega quadros (frames) ou pacotes em alta velocidade (até 1,5 Mbps), com um atraso mínimo e uma utilização eficiente da largura de banda.

Full duplex

Circuito ou dispositivo que permite a transmissão em duas direções ao mesmo tempo.

Gateways

Pontos de entrada e saída de uma rede de comunicações. Do ponto de vista físico, o gateway é um nó de rede que realiza a tradução de pacotes entre duas redes incompatíveis ou entre dois segmentos de rede. O dispositivo que executa essa função realiza a conversão de código e protocolo para facilitar a tráfego de linhas de dados de alta velocidade com arquiteturas diferentes.

Gigabit Ethernet

Tecnologia de redes padrão Ethernet com velocidade de transmissão de até 1 gigabit por segundo.

GPRS

General Packet Radio Service, serviço de comunicação sem fio baseado em pacotes para tecnologia de telefonia móvel padrão GSM. Entre suas promessas estão a taxa de transmissão de até 114 Kbps e a conexão contínua com a internte.

GPS

Sigla de Global Positioning System, tecnologia de localização geográfica de altíssima precisão que fornece as coordenadas (latitude e longitude) do local onde esta o portador do aparelho equipado com essa tecnologia. Os sinais são enviados pela constelação de 24 satélites Navstar, vinculada ao Departamento de Defesa dos Estados Unidos.

GSM

Global System for Mobile Communications, ou sistema global para comunicações móveis. Padrão digital para telefonia móvel amplamente usado na Europa e cuja Presença está aumentando na América Latina, inclusive no Brasil, onde será adotado para os serviços das bandas C, D e E. Suas especificações são abertas e favorecem a mobilidade do usuário (roaming). O padrão está sendo desenvolvido para o uso de serviços multomídia de terceira geração (3G).

Half duplex

Circuito ou dispositivo capaz de transmitir dados em duas direções, porém não simultaneamente.

HDSL

High-bit-rate Digital Subscriber Line, tecnologia de transmissão de alto desempenho por dois pares de cabos telefônicos. Diferencia-se de outras tecnologias DSL porque proporciona transmissão simétrica, ou seja, a mesma taxa de transmissão em ambas as direções (download e upload).

HDTV

High Definition Television, ou televisão de alta definição. Padrão de transmissão de TV com tecnologia digital que proporciona imagens com qualidade similar à dos filmes de 35 milímetros e som com o padrão de qualidade dos CDs.

Headend

Central de recepção, processamento, geração e transmissão de sinal para assinantes de TV por assinatura, via sistemas de cabo e MMDS.

Host

Na internet, é um computador que tem acesso bidirecional completo a outros computadores. Um host tem um número específico que, somado ao número da rede, forma seu endereço IP. O host armazena, centraliza e distribui arquivos, serviços de correio eletrônico, redes de impressão etc. Sua capacidade vai de um micro a um supercomputador.

HTML

Sigla de Hypertext Markup Language, é um conjunto de códigos ou descrições usados para a construção de páginas de internet. Baseia-se no uso de etiquetas, chamadas tags, para a formatação dos elementos que compõem a página web, como tamanho e tipo de fonte, alinhamento de texto, inserção de links etc.

Hub

Aparelho de interconexão utilizado em redes de dados como Ethernet e Token Ring. O hub é o elemento central de uma rede local, responsável por receber informações que chegam de várias direções e passar adiante em uma ou mais direções.

IDC

Internet Data Center, ou centros de dados internet. Edificação onde são instalados computadores e sistemas de armazenamento de dados, ligados a conexões de alta velocidade. Os IDCs são usados para oferecer serviços de terceirização de operações que envolvem a internet. Contam com recursos autônomos de energia elétrica e de segurança contra invasões.

iDEN

Integrated Digital Enhanced Networks. Tecnologia de comunicação sem fio, desenvolvida pela Motorola, capaz de integrar os recursos de telefone celular digital, pager, rádio bidirecional e modem numa única rede. Opera nas freqüências de 800, 900 e 1800 MHz e é baseada nas tecnologias DMA e GSM.

IEEE

Institute of Eletrical and Electronic Engineers. Sociedade internacional que responde pela definição de padrões seguidos pela indústria mundialmente. Exemplos são as especificações IEEE 802.3 para LANs com CSMA/CD, ou IEEE 802.5, para redes locais baseadas em Token Ring.

i-Mode

Serviço de telefonia móvel baseada em pacotes, implantada no Japão pela NTT DoCoMo. Mais inteligentes que os usados em outras partes do mundo, os aparelhos i-Mode têm tela colorida e oferecem navegação na web, e-mails, agenda, chat e games, além de notícias e serviços personalizados. Ao contrário de outras tecnologias, o serviço japonês utiliza uma versão simplificada do HTML no lugar do padrão WML adotado com o WAP. A expectativa é de que a velocidade de transmissão de 9,6 Kbps atual seja superada neste início de ano com o lançamento de um serviço a 380 Kbps.

IMT-2000

International Mobile Telecommunications 2000. Inicitiva da União Internacional de Telecomunicações para criar uma família de tecnologias de terceira eração de telefonia móvel. É planejada para operar na faixa de freqüência de 2 GHz e trafegar aplicações multimídia, com voz, dados e vídeo. Veja 3G.

Intelsat

International Telecommunications Satellite Organization ou Organização Internacional de Telecomunicações por Satélite. Consórcio internacional fundado em 1964, que opera uma rede de dezenove satélites. Participam da Intelsat mais de 200 países, incluindo o Brasil. As maiores operadoras de telecomunicações e canais de TV do mundo são usuárias do serviço.

Interface

Uma fronteira em comum entre duas redes, definida pelas características de interconexão física, características do sinal e significado dos sinais trocados. A palavra também define o ponto de contato entre o usuário e um sistema eletrônico. Ou seja, o que ele visualiza na tela do computador para interagir com um software ou um telefone celular.

Interferência eletromagnética

Dispersão de radiação do meio de transmisão, como um cabo, resultante principalmente do uso de energia de ondas de alta freqüência e da modulação do sinal. Pode ser reduzida com o uso da blindagem adequada no cabo.

Internet

Nome dado à rede mundial de computadores, na verdade a reunião de milhares de redes conectadas entre si. Nascida como um projeto militar, a internet evoluiu para uma rede acadêmica e hoke transformou-se no maior meio de intercâmbio de informações do mundo. Assume faces como meio de comunicação, entretenimento, ambiente de negócios e fórum de discussão dos mais diversos temas.

Internet2

Internet para fins acadêmicos, governamentais e de pesquisa, está sendo desenvolvida conjuntamente por mais de 100 universidades americanas. O principal foco dos trabalhos é o desenvolvimento de uma infra-estrutura de rede capaz de suportar aplicações de ensino, aprendizado e pesquisa colaborativa. Deve incluir, entre outros recursos, multimídia em tempo real e interconexão em banda larga.

Internetworking

Conceito que representa a conectividade entre várias redes de tecnologias distintas. É realizado, na prática, por aparelhos como roteadores e switches, funcionando com protocolos de comunicação padronizados para permitir a troca de dados entre as redes.

Intranet

Rede interna de informaç~es baseada na tecnologia da internet. É usada por qualquer tipo de organização (empresa, entidade ou órgão público) que deseje compartilhar informações apenas entre seus usuários registrados, sem permitir o acesso de outras pessoas. O que o usuário vê á uma interface igual à da internet.

IP

Internet Protocol ou protocolo internet. Conjunto de 32 bits que atribui o endereço de um computador em redes TCP/IP com o propósito de localizá-lo dentro da internet. É o protocolo da camada 3 de rede na arquitetura ISSO. Entre suas funções, proporciona uma conexão para protocolos de nível superior, assumindo funções como rastrear endereços de nós, rotas para envio de mensagens, reconhecimento de mensagens recebidas, além de se responsabilizar por localizar e manter o melhor caminho de tráfego na topologia da rede.

Iridium

Sistema de telefonia móvel e pager via satélite, caracterizado pela combinação de aparelhos de mão, rede de satélites de baixa altitude e serviços de celular para promover a comunicação. Suas vendas fracassaram e a empreitada foi à falência em 1999. O destino dos satélites da Iridium que circundam a Terra ainda está indefinido.

ISDN

Integrated Services Digital Network - Veja RDSI.

ISO

Organismo internacional, fundado em 1946, responsável pela definição e regulamentação de padrões de várias indústrias, incuindo o padrão de interconexão de sistemas abertos OSI. Embora seja usada como acrônimo de International Standards Organization, ISO tem origem na palavra grega isos (igual).

ISP

Internet Service Provider. Veja Provedor de Acesso.

ITU

International Telecommunications Union, ou União Internacional de Telecomunicações. Órgão internacional vinculado à Organização das Nações Unidas, atua como comitê consultor internacional na recomendação de padrões de telecomunicações. Tem sede em Genebra, na Suíça.

Java

Linguagem de programação univarsal criada pela Sun Microsystems para o desenvolvimento de aplicações para a web. As aplicações Java podem ser executadas tanto numa estação isolada como distribuídas entre servidores e clientes de uma rede. É chamada universal por ser uma linguagem multiplataforma, que pode ser entendida e processada por máquinas que rodam diferentes sistemas operacionais, do Windows aos vários tipos de Unix.

Jini

Arquitetura para a conexão automática e instantânea em rede de impressoras, máquinas fotográficas e dispositivos de armazenamento, entre outros, para seu uso imediato por todos os usuários, computadores e outros dispositivos interligados. Em desenvolvimento pela Sun Microsystems, funciona com o uso de cabos. Nesse aspcto, diferencia-se da Bluetooth, tecnologia de conexão que elimina o uso de fios.

Jitter

Fenômeno caracterizado pelo desvio no tempo ou na fase de um sinal de transmissão de pacotes de dados. Pode ser responsável por erros e perda de sincronismo em comunicações síncronas em altas velocidades, por exemplo, em telefonia IP. A variação no tempo de chegada de pacotes prejudica a qualidade da conversação - se um pacote não chega a tempo de se encaixar em seu lugar no fluxo de dados, repete-se o pacote anterior. Pode ser corrigido com a adoção de uma memória adicional (jitter buffer).

Kbps

Kilobits por segundo ou 1000 bits por segundo.

LAN

Local Area Network ou rede local. Estrutura que conecta vários computadores e outros dispositivos numa área definida. A capacidade de comunicação entre os aparelhos é limitada ao alcance dos cabos da rede, ou da antena, no caso de redes sem fio. Normalmente, a área geográfica de uma LAN restringe-se a uma sala, um departamento, um andar ou um prédio. Para viabilizar uma boa performance, a LAN deve ser conectada ao backbone da rede por meio de aparelhos como bridges, hubs ou switches.

Largura de banda

A largura de uma banda de freqüência eletromagnética significa quão rápido os dados fluem, seja numa linha de comunicação ou no barramento de um computador. Quanto maior a largura de banda, mais informações podem ser enviadas num dado intervalo de tempo. Pode ser expressa em bits por segundo (bps), bytes por segundo (Bps) ou ciclos por segundo (Hz).

Last Mile

Última milha, expressão que designa o trecho final de uma conexão de dados, como a linha que liga o modem de uma residência à central telefônica. Normalmente é composta de cabos de cobre ou coaxiais.

Latência

É o atraso audível de uma ligação de telefonia IP. Ou seja, o tempo decorrido entre o momento em que uma pessoa fala (transmissão) e o instante em que o ouvinte do outro lado da linha escuta o sinal de voz (recepção).

LGT

Lei Geral de Telecomunicações. Aprovada em 1997, regulamentou o novo modelo das telecomunicações no Brasil, com o fim do controle estatal sobre as empresas operadoras de serviços (o extinto sistema Telebrás) e o início da competição.

Linha

Meio físico de comunicação que liga dois pontos de uma rede de comunicação. É contratada com uma operadora de telecomunicações, que se encarrega de estender o fio até as instalações do cliente.

Link

Conexão estabelecida entre dois pontos de uma rede de comunicação. Diz-se que o link está estabelecido quando as duas pontas estão efetivamente conectadas, o que pode ser indicado por uma luz de controle (LED) no aparelho de rede. Em broadcasting, é o termo usado para representar a transmissão entre unidades móveis e a sede da emissora, ou entre a conexão estabelecida com satélites e estações terrestres para a geração, por exemplo, de eventos ao vivo. Na web, link é o endereço para outro documento no mesmo servidor ou em outro servidor remoto.

MAN

Metropolitan Area Network ou rede metropolitana. Rede que conecta uma área restrita, como uma cidade ou uma região metropolitana. Normalmente, uma MAN é maior que uma LAN e menor que uma WAN.

Mbps

Megabits por segundo.

Mensagens unificadas

Sistemas de hardware e software que unem sob uma mesma interface o acesse a mensagens vindas de meios diferentes de transmissão, como e-mail, correio de voz e fax.

MeXe

Sigla para Mobile EXecution Environment. Ambiente baseado, provavelmente, na tecnologia Java, possibilitará aos aparelhos WAP oferecer mais recursos, com mais segurança e flexibilidade.

Microondas

Onda eletromagnética que vibra a 1 GHz ou mais e corresponde a um comprimento de onda inferior a 30 centímetros.

M-commerce

Abreviatura de mobile commerce, modalidade de comércio eletrônico móvel que se diferencia do comércio eletrônico convencional porque é realizada por meio de telefones ou terminais sem fio, em vez de equipamentos fixos.

MMDS

Multichannel Multipoint Distribution Service ou serviços de distribuição multiponto e multicanal. Sistema de distribuição e comunicação de sinais, adotado por operadoras de televisão por assinatura. usa freqüências muito altas, acima de 2 GHz, para enviar a programação para a casa dos assinantes. Esses recebem o sinal em pequenas antenas parabólicas. Por usar antenas terrestres para a difusão do sinal, difere do sistema DBS ou DTH, que fazem a transmissão diretamente de satélites na órbita terrestre.

Modem

Modulador-demodulador. É o equipamento mais utilizado para transmitir e receber dados pela internte. Os sinais digitais saem do computador por sinais analógicos adequados para trafegar por longas distâncias, via linhas telefônicas. Essa operação chama-se modulação. A demodulação ocorre quando o modem recebe o sinal analógico e o decodifica para um sinal digital, entendido pelo computador. A taxa de transmissão real depende do modelo do aparelho e da qualidade da linha telefônica à qual o modem está conectado. A mais comum é 56 Kbps. Há modelos que juntam duas linhas telefônicas para conseguir taxas de 112 Kbps.

Multiplexador (mux)

Dispositivo de rede que permite que dois ou mais sinais sejam enviados por um circuito de comunicação e compartilhem o percurso de transmissão. O mux divide a largura de banda rotal do circuito em várias bandas menores, pelas quais trafegam os subcanais de transmissão. É usado, por exemplo, para transpotar dados e voz por uma mesma linha, sem que essa interfira no sinal - dois muxs concentram o sinal numa ponta e o dividem na outra.

Multiponto

Configuração em que diversos dispositivos compartilham um circuito de transmissão (ou linha multiponto), mas somente um deles, geralmente, pode transmitir num determinado momento. De um modo geral, é utilizada com algum tipo de mecanismo (polling) para determinar um código de endereço exclusivo para cada terminal.

NAP

Network Access Point ou ponto de acesso à rede. Uma NAP é um dos vários pontos de interconexão que reúne vários provedores de acesso à internet.

Narrowband

Em português, banda estreita, nome dado às conexões de baixa velocidade (abaixo de 64 Kbps) para contrapor-se à banda larga.

NIC

Network Interface Card, ou cartão de interface de rede. Interface de comunicação que , uma vez instalada num computador, possibilita sua conexão física a uma rede. Também é necessário nas conexões à internet via cable modem ou ADSL.

NMS

Network Management System ou sistema de gerenciamento de rede. Sistema que corresponde pela monitoração de uma rede e pela coleta de dados para estatísticas de desempenho.

Em comunicação, é o ponto de conexão, redistribuição ou finalização de uma rede.

Operadora

Empresa que possui a concessão para oferecer um serviço público de comunicações de voz ou dados. É adotado como referência para as empresas de telefonia fixa, celular, de longa distância ou transmissão de dados.

OSI

Open System Interconnection, ou Interconexão de sistemas abertos. Modelo de sete níveis para redes de comunicação, desenvolvido pela International Standard Organization (ISO). Veja camada.

Pacote

Grupo ordenado de sinais de dados e controle, transmitido pela rede, como um subconjunto de uma mensagem maior. Em TV por assinatura, define a relação de canais que o assinante escolhe pagar para receber o sinal.

Paging

Serviço de comunicação baseado na transmissão de mensagens alfanuméricas para pequenos aparelhos portáteis. Chamados pagers, os aparelhos recebem as mensagens num visor de cristal líquido, mas, em geral, não permitem o envio de respostas. Nos últimos três anos, surgiram os primeiros pagers "two-way", que oferecem o recurso de transmissão de mensagens.

PASTE

Programa de Expansão e Recuperação do Sistema Telecomunicações e do Sistema Postal, plano criado pelo Ministéro das Telecomunicações em 1995 com o objetivo de modernizar o setor. Determina quantidades de linhas instaladas pelas operadoras para atender a demanda reprimida, a instalação de telefones públicos em cidades pequenas, tempo máximo para atendimento de pedidos de conserto ou troca de endereço, entre outros indicadores de qualidade.

Pay TV

Veja TV por assinatura.

Pay-per-view

Serviço de televisão por assinatura em que a operadora cobra taxa extra para transmitir um programa ou um canal de TV que está fora do pacote adquirido pelo assinante. Muito utilizado em eventos esportivos.

PBX

Private Branch Exchange ou central telefônica privada. Equipamento que concentra o fluxo de ligações telefônicas recebidas por uma entidade, desde um condomínio até uma grande corporação, realizando a comutação e o encaminhamento das chamadas aos ramais que estão a ele conectados. Seu tamanho e características variam conforme o modelo e as necessidades do cliente.

PCM

Pulse Code Modulation ou modulação de código de pulsos, é um procedimento para a adaptação, durante a transmissão, de um sinal anlógico (como voz) num feixe digital de bits a 64 Kbps.

PCS

Personal Communications System, ou sistema móvel pessoal de telefonia sem fio semelhante ao sistema celular. Enfatiza os serviços personalizados e a ampla mobilidade. Muito utilizado nos Estados Unidos, opera em 1900 MHz.

Peer-to-peer

Modelo de conexão no qual cada um dos equipamentos conectados tem os mesmos recursos e cada parte pode dar início a uma sessão. Na internet, refere-se a uma rede transitória que garante a um grupo de usuários com o mesmo programa acessar arquivos instalados no disco rígido de outros. É oprincípio utilizado pelo Napster e programas e serviços similares.

Porta

Interface física para a conexão entre computadores, terminais, impressoras, modems, switches, roteadores, multiplexadores e outros equipamentos.

PPP

Protocolo ponto-a-ponto (point-to-point protocol), usado em acessos dial-up entre computadores, geralmente via linhas seriais.

Pré-pago/Pós-pago

Modalidades de serviço de telefonia quanto ao sistema de pagamento. No sistema pré-pago o cliente adquire antecipadamente créditos para usar o telefone. A compra é feita na forma de cartões , adquiridos no varejo ou diretamente em terminais de recarga dos telefones, encontrados em bancos ou em lojas das próprias operadoras. No sistema pós-pago, por sua vez, o usuário arca com o preço da assinatura de serviço e recebe a conta em casa após um período fixo de uso.

Protocolo

Conjunto formal de convenções que regulam o formato e o sincronismo da troca de mensagens entre dois sistemas de comunicações. Em outras palavras, pode ser definido como o idioma falado na conversa entre dois dispositivos durante o estabelecimento de uma comunicação.

Provedor de acesso

Nome dado às empresas que oferecem o serviço de acesso à internet para usuários residenciais ou empresas. Alguns provedores limitam-se ao acesso físico, enquanto outros oferecem ainda conteúdo.

PSTN

Public Switched Telephone Network. Veja RPTC.

QoS

Quality Of Service, ou qualidade de serviço. É um parâmetro de eficiência do serviço acertado previamente em contrato pela operadora de serviços de telecomunicações e o cliente. Por exemplo, disponibilidade de 99,9% significa que a conexão contratada não pode ficar mais de 0,1% (quase nove horas num ano) fora do ar, ou sem serviço, sob pena de multa ou outro tipo de ressarcimento. O QoS é medido também em variáveis como tempo de atraso dos pacotes ou velocidade média da conexão.

RDSI

Sigla para Rede Digital de Serviços Integrados, serviço fornecido por operadoras de telefonia fixa que permite transmisão de dados, voz e vídeo simultaneamente. Há dois níveis de serviço RDSI. O nível básico emprega dois canais independentes tipo Bde 64 Kbps para transmissão, mais um terceiro canal D de 16 Kbps para sinalização e controle. Os canais B podem ser combinados para garantir velocidade de acesso de 128 Kbps. O nível primário é composto por trinta canais tipo B de 64 Kbps (no padrão europeu, ou 23 canais tipo B nos Estados Unidos) e um tipo D de 64 Kbps. Nesse caso, a combinação dos trinta canais de transmissão de dados garante uma taxa de até 2 Mbps.

Rede

Termo que designa a interconexão entre diversos computadores e outros dispositivos, por meio de cabos, rádio ou satélite. A rede pode ser definida como um grupo de pontos, estações e nós interligados, e o conjunto de equipamentos que os conecta.

Redundância

Técnica que consiste na duplicação de um recurso como componente reserva (backup). O objetivo é garantir a operação ininterrupta de um sistema ou circuito de comunicação em caso de falha do sistema principal.

Repetidor

Dispositivo que amplifica, recupera ou regenera sinais de transmissão para compensar a distorção ou atenuação do sinal antes de enviá-lo para seu destino.

Roaming

Sistema que permite que o cliente de uma empresa de telefonia móvel possa acessar e ser acessado pelo serviço móvel celular mesmo estando fora da área de abrangência da operadora. Por exemplo, o paulistano em viagem ao Rio de Janeiro pode fazer e receber ligações, seja ele cliente da BCP ou da Telesp Celular, com o uso da infra-estrutura das operadoras de telefonia local (ATL ou Telefônica Celular). A operação ocorre automaticamente, sem que o usuário precise configurar o aparelho ou pedir o serviço à operadora. No caso de roaming internacional, no entanto, o cliente precisa requisitar o serviço e pagar um adicinal por ele.

Roteador

Equipamento que funciona, normalmente, como o principal componente de uma rede corporativa ou de um backbone de internet. O roteador recebe e encaminha pacotes de dados em altíssima velocidade, escolhendo o melhor caminho para realizar a transmissão. A operação, chamada de roteamento, é realizada entre redes locais (LANs) e redes de longa distância (WANs), ou entre duas WANs. Em inglês, é denominado router.

RPTC

Sigla de Rede Pública de Telefonia Comutada, é a rede acessada por telefones comuns, sistemas de ramais, troncos PBX e equipamentos de transmissão de dados. Em inglês, PSTN ou Public Switchd Telephone Network.

RTS

Request To Send, ou requisição para envio. Sinal de controle enviado por um modem a outro, informando que tem dados a ser transmitidos.

Satélite

Equipamento de comunicação que gira sobre a órbita terrestre. Seu funcionamento consiste em refletir sinais de microondas enviados da superfície da Terra para outro satélite ou diretamente para uma antena no solo. Surgido na esteira da corrida espacial, o satélite viabiliza a transmissão de sinais de TV, rádio, telefonia e dados para todo o mundo, aproveitando o fato de estar acima do obstáculo representado pela curvatura terrestre.

SDH

Synchronous Digital Hierarchy, ou hierarquia síncrona de dados. Padrão europeu para o uso de meios ópticos como transporte físico para redes de longo alcance a altas velocidades.

SER

Serviço Especial de Radiochamada. Veja Paging.

Servidor

Veja Host.

SIPT

Sistema de Informações sobre Preços e Tarifas, serviço mantido pela Anatel para consulta de tarifas telefônicas interurbanas no território brasileiro. Lista os valores efetivamente pagos pelos usuários por minuto de chamada, incluindo impostos.

Sinais de controle

Sinais transmitidos entre duas partes de um sistema de comunicação, como parte de um mecanismo para o controle do sistema. Por exemplo, RTS, DTR ou DCD.

Sistema de gerenciamento de rede

Equipamentos e programas utilizados para monitorar, controlar e gerenciar uma rede de comunicação de dados.

SLC

Acrônimo de Serviço Limitado de Comunicações, concessão dada pela Agência Nacional de Telecomunicações para empresas operadoras de serviços de comunicações, incluindo voz e dados. A limitação está nos serviços de voz, que não podem ser oferecidos ao público em geral, mas apenas entre matriz e filiais das empresas que contratam a operadora.

Smart Phone

Terminal de telefonia móvel, do padrão GSM, desenvolvido para facilitar a recepção de e-mails, faxes e telas de intranet no visor dos aparelhos. Possui pequeno teclado e software que faz a ligação direta do telefone com serviços ou aplicações específico.

SMC

Serviço móvel de comunicação terrestre que utiliza sistema de radiodifusão com tecnologia celular e se interconecta com a rede pública de telecomunicações. É baseado na cobertura de áreas por células. Nesse sistema, estações radiobase transmitem os sinais a aparelhos móveis.

SME

Serviço Móvel Especializado, conecta grupos de usuários por ligações diretas de rádio, além de realizar chamadas para telefones da rede pública (fixa e móvel), por meio dos gateways da operadora. Conhecido originalmente como trunking.

SMP

Sigla para Serviço Móvel Pessoal, nome dado pela Anatel aos novos serviços de telefonia móvel terrestre que serão oferecidos ao consumidor, a partir de 2001, coma entrada em operação das concessionárias das bandas C, D e E.

SMS

Short Message Service, ou serviço de mensagem curtas. Tecnologia que habilita telefones celulares a receber mensagens alfanuméricas, de modo similar a um aparelho pager. O usuário visualiza a mensagem no visor, mas não pode enviar uma mensagem de volta.

SNA

Systems Network Architecture. Arquitetura de protocolos de comunicação de dados em camada utilizada pelos computadores de grande porte (mainframes) da IBM. A primeira versão do SNA, criada em 1974, fazia um host controlar os terminais de forma centralizada. Com a chegada da internet, foi adaptado para operar na arquitetura de computação distribuída e na comunicação peer-to-peer.

SNMP

Simple Network Management protocol, ou protocolo simples de gerenciamento de rede, é muito utilizado no controle e monitoração de equipamentos de rede como bridges, roteadores e hubs.

Sombra

Área geográfica em que o sinal da operadora de telefonia móvel é deficiente e as ligações ficam entrecortadas ou não são completadas. É causado por fenômenos atmosféricos ou devido à topologia do local. Acidentes geográficos, edifícios, túneis e garagens subterrâneas são alguns dos fatores que interferem na qualidade das ligações.

SONET

Synchronous Optical Network, padrão americano para comunicação síncrona de dados em transmissão sobre meio óptico. O padrão internacional equivalente é o SDH (synchronous digital hierarchy). A taxa de transmissão suportada pelo padrão chega a 9,9 Gbps.

SSL

Secure Sockets Layer, protocolo mais utilizado para a comunicação segura de dados na internet. O servidor do site que está sendo acessado envia uma chave pública ao browser, usada por este para enviar uma chave secreta, criada randomicamente. Dessa forma, fica estabelecida a troca de dados criptografados entre os dois computadores.

STP

Shielded Twisted Pair, ou par trançado com blindagem, designa os fios telefônicos encapados com uma blindagem metálica. O objetivo é eliminar interfer6encias externas, principalmente no uso em sistemas de transmissão de dados.

Supressão de silêncio

Técnica de telefonia IP que consiste em eliminar a transmissão de pacotes de dados que representam o tempo de silêncio durante uma conversação. Em geral, cerca de 50% da capacidade total da conexão é utilizada durante o tempo da chamada, porque normalmente uma pessoa escuta enquanto a outra fala. A supressão de silêncio reduz em cerca de 10% a largura de banda utilizada na conversa, liberando 60% do circuito para a transmissão de dados.

Switch

Aparelho dotado de múltiplas portas para a conexão de dispositivos ligados a uma rede. Realiza a operação de comutação (switching), ou seja, recebe dados de uma estação ou do roteador conectado ao mundo extermo (WAN) e os envia para as estações locais (LANs), conforme o endereço do destinário. A taxa de transmissão é personalizada para cada usuário, até a capacidade total da banda do switch. O dispositivo é usado para conectar LANs entre si ou segmentar LANs, atuando normalmente na camada 3 (rede) da arquitetura OSI.

Switch Router

Nova geração de switches, que atua também na camada 4 (transporte) da arquitetura OSI. Ou seja, comanda também o fluxo de dados de longa distância (WAN), realizando a operação por comutação em vez do roteamento, processo utilizado pelos roteadores.

T1

Padrão norte-americano que define a linha digital de alta velocidade, com capacidade de transmissão de 1,544 Mbps. Termo crido pela AT&T, T1 é amplamente utilizado em redes privadas e na interconexão entre redes locais e redes públicas de telecomunicações.

Tarifação

Medição de uma chamada telefônica ou uma conexão de dados para que se possa fazer a cobrança do serviço.

TCP/IP

Transmission Control Protocol/Internet Protocol, protocolos de comunicação básicos da internet, utilizados também na implementação de redes privativas como intranets e extranets. É composto de dois níveis. O nível mais elevado é o de controle de transmissão. Ele gerencia a reunião de mensagens e arquivos em pacotes e vice-versa. O segundo cuida da parte de endereçamento dos pacotes, de modo que cheguem ao lugar de destino.

TDM

Time Division Multiplexer, ou multiplexador por divisão de tempo em português. Dispositivo que divide o tempo disponível de um circuito de comunicação de dados composto por seus vários canais, geralmente por meio de bits de intercalação (bits TDM) ou caracteres (caracteres TDM) de dados referentes a cada terminal.

TDMA

Time Division Multiple Access. Veja Acesso múltiplo por divisão de tempo.

Telefonia IP

Padrão de transmissão em que a voz trafega pela rede de dados (intranet e/ou internet) e não pela rede telefônica comum. A conversa passa por um processo de compressão do sinal elétrico para que este possa viajar pela rede na forma de pacotes de dados.

Teleporto

Edificação em que uma ou várias operadoras de serviços de telecomunicações montam suas estruturas de recepção e transmissão de serviços de dados, voz e vídeo. Possui gerenciamento centralizado e monitoração constante da performance dos serviços.

TIA

Telecommunications Industry Association, organismo americamo criado em 1988 com o desmembramento do Information & Telecommunications Technology Group da EIA - Eletronic Industries Association.

Token Ring

Tecnologia de rede local criada pela IBM, com capacidade de 4 Mbps ou 16 Mbps, padronizada pela norma IEEE 802.5. Consiste numa estrutura em anel (ring) à qual todas as estações da rede estão conectadas. Antes de transmitir dados, as estações devem aguardar um pacote de dados específico, chamado quadro de supervisão (token). Os tokens são enviados de uma estação a outra adjacente, na seqüência determinada pelo anel.

Transmissão

Transferência de dados por um canal de comunicação. Há várias modalidadesde transmissão: analógica, assíncrona, serial e síncrona.

Transponder

Contração das palavras transmiter e responder, refere-se aos equipamentos para recepção e trasmissão numa comunicação por satélite. Em linhas gerais, recebe um sinal da terra (uplink), amplifica esse sinal e o retransmite à terra numa freqüência diferente.

Tri-band

Telefone sem fio que opera em três diferentes faixas de freqüência. Os aparelhos GSM, por exemplo, funcionam em 900 MHz e 1800 MHz na Europa e em 1900 MHz nos EUA. O telefone reconhece a faixa em que trabalha a operadora local e sintoniza a sua freqüência.

Tronco

Circuito único entre dois pontos, sendo que ambos são centros de comutação ou pontos de distribuição individual. Um tronco geralmente processa diversos canais de comunicação simultaneamente.

Trunking

Veja SME.

TV a cabo

Serviço de TV por assinatura em que os sinais são recebidos pelo cliente por um cabo coaxial.

TV aberta

Canal de televisão cujo sinal é aberto para qualquer pessoa, sem necessidade de pagamento. Por ondas de rádio, os canais são divididos nas faixas VHF e UHF.

TV interativa

Tecnologia em desenvolvimento que permitirá ao telespectador interagir com serviços oferecidos na tela do aparelho de televisor. Por meio de menus e equipamentos de comando (controle remoto ou outros dispositivos), será possível fazer compras, consultar correio eletrônico, acessar páginas internet ou adquirir programação pay-per-view.

TV por assinatura

Serviço prestado por uma operadora, que transmite à casa do assinante uma programação de TV mediante o pagamento de taxa mensal. O sinal é codificado pela operadora para evitar acesso não autorizado e decodificado na residência do assinante por um decoder.

UHF

Ultra High Frequency, faixa de freqüências muito alta (entre 300 MHz e 3 GHz) destinada à transmissão de canais de TV aberta (do 14 para cima).

Uplink

Sinal de transmissão de dados enviado de uma estação terrestre para o satélite em órbita.

UTP

Unshielded Twisted Pair, ou par trançado sem blindagem. Refere-se aos sistemas de cabeamento baseados em cabos de par trançado de cobre sem blindagem.

VHF

Very High Freqüêncy, faixa de freqüências entre 30 MHz e 300 MHz, destinada à transmissão de canais de televisão aberta (do canal 2 ao 13).

Videoconferência

Sessão de comunicação em vídeo entre duas ou mais pessoas distantes geograficamente. Apesar de ainda serem mais dispendiosas e complexas que as audioconferências, as videoconferências começam a ganhar popularidade tanto nas empresas como nas residências. Isso ocorre à medida que o uso da banda larga se expande e equipamentos mais baratos chegam ao mercado. Numa WAN, o padrão para videoconferência é o H.320. Para os sistemas de videoconferência entre computadores de mesa, outros dois protocolos predominaram: o H.323, sobre redes locais; e o H.232, sobre sistemas telefônicos convencionais.

VLAN

Virtual Local Area Network, ou rede local virtual. Arquitetura de rede que permite montar subgrupos dentro de uma rede para reunir usuários que estão distantes geograficamente mas têm interesses comuns. Os usuários da VLAN compartilham um endereço IP criado para a sub-rede e são agrupados num só domínio de distribuição, como se estivessem próximos um do outro numa LAN.

VoIP

Voice over IP, ou voz sobre IP. Veja Telefonia IP.

VPN

Virtual Private Network, ou rede privada virtual, é uma rede para uso exclusivo dos usuários autorizados por uma empresa, para que se conectem a ela de qualquer lugar do mundo. A VPN funciona como uma rede privada, com a diferença de que trafega dados sobre a infra-estrutura da rede pública de dados ou da própria internet. Requer a contratação de uma operadora de telecomunicações, além de hardware de rede e software especiais para a autenticação de usuários.

VSAT

Very Small Aperture Terminal, estação terrestre de pequeno porte para a transmissão via satélite.

WAN

Wide Area Network ou rede de longa distância. Termo que designa uma rede de comunicação de dados que cobre áreas geograficamente extensas como um Estado, um país ou um continente. A taxa de transmissão de dados das WANs varia de acordo com a tecnologia adotada.

WAP

Wireless Application Protocol, ou protocolo de aplicações sem fio. É um embrião da tecnologia que fará o telefone celular tornar-se um terminal pleno de acesso à internet. O WAP já está em operação no Brasil e consiste na transformação, adaptação e criação de conteúdo da internet para visualização na tela de um celular. Como as telas atuais têm capacidade reduzida, o conteúdo é apresentado como uma lista. Os serviços oferecidos incluem notícias, transações bancárias e operações de reserva de vôos.

Wireless

Expressão genérica que designa sistemas de telecomunicações nos quais as ondas leltromagnéticas - e não fios - se encarregam do transporte dos sinais.

WLL

Sigla de Wireless Local Loop, ou circuito local sem fio. Designa a tecnologia baseada num terminal de telefone fixo que se comunica via ondas de rádio com a central telefônica de trânsito público.É utilizada no Brasil pelas empresas espelho, concorrentes das companhias de telefonia fixa já estabelecidas com sua rede de fios de cobre.

WML

Wireless Markup Language, espécie de versão WAP da metodologia de descrição de dados XML. Baseada em tags, permite que porções de textos de páginas web sejam apresentadas na tela de telefones celulares e outros dispositivos WAP.

X-ON/X-OFF (Transmissor On/Trasmissor Off)

Caracteres utilizados para o controle do fluxo, instruindo um terminal a iniciar (X-ON) e encerrar (X-OFF) a transmissão.

 

 

Airtime

Actual time spent talking on your cellular telephone. In general most cellular phone companies charge you from the time you hit the SEND button until you hit the END button (i.e. you pay to listen to a ringing signal). GSM phone companies (e.g. Fido <../providers/fido.htm>, Cityfone <../providers/cityfone.htm>) generally charge actual talk time and not time listening to ringing signals. You are not charged for listening to busy signals or if your call is not answered. This puts the '200 free minutes' included in your monthly plan into a slightly different perspective than what you're used to with a land line.

 

AMPS

Advanced Mobile Phone Service; commonly known as analog cellular. Offered in the 800 MHz spectrum by Telus Mobility <../providers/telus.htm>, Bell Mobility <../providers/bell.htm>, and Rogers AT&T <../providers/cantel.htm>. AMPS service has been available in Canada since the mid 80's and is also available in the US, Mexico, Australia, and several other countries. Calling this system analog is not really true. Although your voice is transmitted via analog, some of the phone's background operations are digital in nature. AMPS offers limited battery life, poor sound quality, and has a much higher power output rate than the newer digital phones. Available only in the 800 MHz frequency band. Compare this with TDMA, CDMA, GSM, and iDEN.

 

Base Station

 

A transmission and reception station for handling cellular traffic. Usually consists of one or more receive/transmit antenna, microwave dish, and electronic circuitry. Also referred to as a cell site, since it holds one or more tx/rx cells. Base stations are constructed and placed on high buildings, hydro towers, monopoles, or other structures with a good elevation above the area to be covered. Several base stations within an area form a wireless network.
In general
800 MHz sites are spaced about 10-12 km (6-8 mi) apart and 1900 MHz sites are spaced about 3-4 km (2-2.5 mi) apart. In high network traffic areas base stations are placed much closer together. Base stations may also be placed closer together to deal with interference from adjacent buildings and other geographic irregularities. Radio frequencies carry much better over very flat terrain or water so providers can space base stations even farther apart in these areas.
Even a
Simpsons <http://www.snpp.com/> episode featured a cellular base station above their house. Mind you, real base stations don't look like this!

 

BlueTooth

Bluetooth is a specification for providing links between mobile computers, mobile phones and other portable handheld devices, and connectivity to the Internet. It enables users to connect a wide range of computing and telecommunications devices easily and simply without the need to buy, carry, or connect cables.

 

CDMA

 

Code Division Multiple Access; also known as IS-95. One of the newer digital technologies in use in Canada, the US, Australia, and some southeastern Asian countries (e.g. Hong Kong and South Korea). CDMA differs from GSM and TDMA by its use of spread spectrum techniques for transmitting voice or data over the air. Rather than dividing the radio frequency spectrum into separate user channels by frequency slices or time slots, spread spectrum technology separates users by assigning them digital codes within the same broad spectrum. Advantages of CDMA include higher user capacity and immunity from interference by other signals. Available in either 800 or 1900 MHz frequencies.

 

Cell

The basic geographic unit of a cellular system and the basis for the generic industry term "cellular." A city is divided into small "cells", each of which is equipped with a low-powered radio transmitter/receiver or base station. The cells can vary in size depending on terrain and capacity demands. By controlling the transmission power and the radio frequencies assigned from one cell to another, a computer at the MTSO monitors the movement and transfers or hands off the phone call to another cell and another radio frequency as needed.

 

Codec

Short for "compressor/decompressor"; refers to the hardware in a cell phone and in the cell network that compresses digitized voice prior to transmission AND takes received compressed voice and decompresses it prior to passing it to either a cell phone speaker or into a wireline system. Codec allows the cell network to essentially pass a lot of data in compressed form to permit additional users on the system and to save bandwidth. The idea behind codec is that human voices are highly lossy and a significant amount of the conversation can be removed since human ears can fill in the removed gaps at the other end. Each technology has different codec algorithms -- for CDMA there is 13K and 8K.

 

Control Channel

A channel used for transmission of digital control information from a base station to a cellular phone (forward control channel) or from a cellular phone to a base station (reverse control channel).

 

Dual Band

Dual band phones are capable of using two different frequencies of the same technologies. For example a TDMA or CDMA phone that can use either the 800 or 1900 MHz band. There are also Triple Band phones in the GSM market that support 900, 1800, and 1900 MHz. Dual band phones allow you to access different frequencies in the same or different geographic regions, essentially giving your phone a wider coverage area.

 

Dual Mode

Dual mode phones that support more that one technology. For example a 800 MHz CDMA phone that also supports 800 MHz AMPS. You can also have phones that support dual band/dual mode such as the Nokia 6185 which is 800, 1900 MHz CDMA and 800 MHz AMPS. Dual mode phones allow you to access different technologies in the same or different geographic regions, essentially giving your phone a wider coverage area.

 

ESN

Each cellular phone is assigned an unique ESN or Electronic Serial Number, which is automatically transmitted to the cellular base station every time a call is placed. The MTSO validates the ESN with each call. Cloned cellular phones transmit a stolen ESN and charges are made to the real cellular phone account.

 

Frequency reuse

The ability to use the same frequencies repeatedly across a cellular system, made possible by the basic design approach for cellular. Since each cell is designed to use radio frequencies only within its boundaries, the same frequencies can be reused in other cells not far away with little potential for interference. The reuse of frequencies is what enables a cellular system to handle a huge number of calls with a limited number of channels.

 

GSM

Global System for Mobile communications. The most common digital cellular system in the world. GSM is used all over Europe, plus many countries in the Middle East, Asia, Africa, South America, Australia, and North America. GSM's air interface is based on narrowband TDMA technology, where available frequency bands are divided into time slots, with each user having access to one time slot at regular intervals. Narrow band TDMA allows eight simultaneous communications on a single radio multiplexor and is designed to support 16 half-rate channels. GSM also is the only technology that provides incoming and outgoing data services, such as email, fax, and internet surfing. GSM makes use of a SIM card that allows memory portability between dumb GSM phones.

Handoff

The process by which the MTSO passes a cellular phone conversation from one radio frequency in one cell to another radio frequency in another. The handoff is performed so quickly that users usually never notice.

 

Hertz

A unit for expressing frequency which is the number of times a wave-like radio signal changes from maximum positive to maximum negative charge per second. 1 Hz = 1 cycle per second. 1 kilohertz (kHz) = 1,000 Hz; 1 megahertz (MHz) = 1,000 kHz or 1,000,000 Hz; 1 gigahertz (GHz) = 1,000 MHz or 1 million kHz or 1 billion Hz. AMPS (analog) cellular phones in Canada and the US use the 800 MHz band. Digital phones use either the 800 MHz or 1900 MHz (or 1.9 GHz) frequencies. Specifically, CDMA and TDMA use either 800 or 1900 MHz; iDEN uses only 800 MHz; GSM uses only the 1900 MHz spectrum in North America. GSM uses 900, 1800, and/or 1900 MHz on other continents.

iDEN

A modified TDMA technology used by Motorola. iDEN phones operate at 800 MHz and are offered by Telus Mobility in Canada and by Nextel in the US.

 

MTSO

Mobile Telephone Switching Office. The central switch that controls the entire operation of a cellular system. It is a sophisticated computer that monitors all cellular calls, tracks the location of all cellular-equipped vehicles traveling in the system, arranges handoffs, keeps track of billing information, etc.

NAM

The NAM or Number Assignment Module is the electronic memory in the cellular phone that stores the telephone number. Phones with dual- or multi-NAM features offer users the option of registering the phone with a local number in more than one market.

Paging

The act of seeking a cellular phone when an incoming call is trying to reach the phone.

PCS

Personal Communication Services. PCS and cellular are sometimes interchanged. Officially, PCS is a digital cellular service in the 1900 MHz band only. In practice, some providers (e.g., Telus Mobility, Rogers) have used part of their AMPS 800 MHz allocation to offer PCS or digital cellular services.

PRL

Referred Roaming List. A list of SID's kept inside a phone to permit roaming on other wireless networks. A service provider may set up roaming agreements with other service providers in different geographic regions and the PRL will try to locate one of these service providers' networks first when the home service provider is unavailable. PRL's do change so it's a good idea to ask for a PRL upgrade every 6 months or so if you do a lot of roaming outside your home service area.

Registration

The procedure that a cellular phone initiates to a base station to indicate that it is now active.

 

Roaming

The ability to use your cellular phone outside your providers' home service area. Providers often set up Roaming Agreements with other providers in different geographic locations. A roaming agreement lets you seemlessly make calls in the other provider's geographic service area without operator intervention. Roaming agreements save customers money and time. Airtime incurred while roaming shows up on your monthly statement as an additional charge (exceptions: Bell North American Plan, Rogers AT&T digital one rate, and Telus Mike).
Roaming is never as cheap as your home airtime rates, but is provided as a short-term convience for a provider's customers. Sometimes a roaming agreement may not be in place and operator intervention is required to obtain a credit card number. This is usually much more expensive than a roaming agreement (up to $5/min compared to $1/min).
Always contact your provider before roaming. Sometimes phones require roaming to be enabled to prevent fraudulent activity (e.g., anyone traveling to New York must have their provider unlock roaming restrictions for the duration of the trip); sometimes you need to know special codes to allow calls to be delivered to your phone; some roaming agreements allow the host provider to charge a daily roaming fee just to have the phone accessing their network; and some other providers charge airtime for the phone ringing even though you choose not to answer it.

 

SID

System Identification. A five digit number that indicates which service area the phone is in. Most carriers have one SID assigned to their service area.

 

SIM card

A small memory card not much bigger than half the length of your thumb. Used in GSM phones to hold your phone numbers and other information. Can be removed and inserted into other GSM phones, allowing you to keep your numbers and to place and receive phone calls.

 

SMS

Short Message Service. A method of delivering a short (120-200 character) message to your digital cellular phone. GSM phones can also send SMS. A nice way to send a short message to someone without calling them. Private SMS services include weather and sports reports, stock quotes, and more. Usually people can either visit a SMS web page and type a short message which is sent to your phone or email your phone (e.g., 2508827626@msg.clearnet.com). Some providers change additional monthly fees for the reception or transmission of SMS. See my Links <../misc/links.htm> page for a list of SMS services.

 

SP-lock

A lock placed on a cellular phone by some service providers to ensure that you can only use the phone with their services. More Information <faq.htm>.

Standby time

The amount of time you can leave your fully charged cellular phone turned on before the phone will completely discharge the batteries.

Talk time

The length of time you can talk on your cellular phone without recharging the battery. The battery capacity of a cellular phone is usually expressed in terms of so many minutes of talk time OR so many hours of standby time. When you're talking, the phone draws additional power from the battery.

 

TDMA

Time Division Multiple Access. TDMA divides frequency bands available to the network into time slots, with each user having access to one time slot at regular intervals. TDMA thereby makes more efficient use of available bandwidth than the previous generation AMPS technology. Available in either 800 or 1900 MHz frequencies.

Voice Channel

A channel used for transmission of voice data from a base station to a cellular phone (forward voice channel) or from a cellular phone to a base station (reverse voice channel)

 

Wireless Data

A service that allows you to send digital data over a cellular phone. Analog phones require a cellular modem; PCS phones do not. Not offered by all providers.